terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Desabafo





Gostava de ser uma ave nos dias de vendaval,
Rodopiar sem parar
E, lá bem do alto ver a terra pequenina, com um pontinho de luz
Pois sei meu amor que esse pontinho és tu.
_sim és tu, porque o teu brilho brilha mais do que uma vulgar luz.
Tens em ti o brilho de todas as estrelas,
Tens o sol dentro de ti… que é a estrela maior,
Mas daqui de onde me encontro, penso que os meus olhos
Jamais te enxergaram.
_diz-me meu amor, o porquê?
Porque partiste de perto de mim,
Peço a DEUS que no dia em que eu partir, ainda possa ver esse brilho.
E sentir o teu doce beijinho.
Ficam as lembranças dos doces momentos, que por tão breve partilhamos
Sei que não irás ler.
Mas deixarei aqui o meu triste desabafo.

De quem te ama e sempre enquanto vida.




3 comentários:

  1. Que linda declaração de amor, querida amiga.
    Embora se note uma certa melancolia, nem por isso é menos belo, este poema.
    Gostei imenso.

    Obrigada pela carinhosa presença e parabéns à minha "CASA".

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  2. Bom dia, voar em liberdade é ambição do ser humano, infelizmente ainda não é possível, o lindo poema revela o seu bom sentimento de amor.
    AG

    ResponderEliminar
  3. Olá amiga!
    Minha visita hoje é para lhe trazer um pouco de carinho, deixar meu abraço, me desculpando por não comentar sua maravilhosa postagem. Hoje o reumatismo atacou minha coluna, estou péssima para escrever. Vou seguindo a vida, um dia sorrindo outro dia mais tensa, o importante é estar viva.
    Lhe desejo um fim de semana de muita paz, saúde e felicidade. Deixo esse pensamento do Padre Fábio de Melo,
    “A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso, que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver.
    Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existência as mais diversas formas de sementes...”
    Abraços, permanece com Deus.

    ResponderEliminar

O consolo de ter um amigo poderá ser-nos roubado,
mas não o facto de o termos tido.