domingo, 22 de maio de 2016

PEDRAS DA MINHA INFÂNCIA


Pedras e pedrinhas.

Quando eu era mocinha, vivia no campo
em todos os cantos eu encontrava pedras,
sempre tive uma paixão por elas.
Tinha-as de todos os formatos e tonalidades
mas as que eu adorava mais eram as do furo...
um furo de águas cristalinas que existia naquela herdade
onde todos matavam a sede e ainda regava os campos
de arroz, batatas. árvores de fruto, e todos os que nela saciavam
a sua sede.
Ainda hoje existe uma grande parte dessa herdade
que foi vendida ao Sr.º Sousa Sintra para fazer uma empresa
de águas ditas minerais.

Aí o estado ou a Câmara Municipal de Setúbal deu um jeito
de desapropriar o senhor e fazer delas um bem a favor da população 
dos arredores da cidade...mais propriamente, Praias-do-Sado
e Faralhão.
Então aqui voltam a entrar de novo as minhas pedras e pedrinhas
que eram as lavadas pela água que noite e dia corria sobre elas como se fora
um rio, eu as colhia e com elas fazia lindos enfeites...Há que saudades
da herdade onde nasci e cresci... aí o meu pai me concebeu
e aí o meu pai morreu, e neste entreva-lo já lá vão 50 anos 
da minha vida, por isso eu sou dura como as pedras
da minha infância, que nos meus devaneios ainda as vejo
com as mesmas cores e formatos.


Sem comentários:

Enviar um comentário

O consolo de ter um amigo poderá ser-nos roubado,
mas não o facto de o termos tido.